Coronavirus

Radiologistas tiveram até 125% mais chances de desenvolver estresse durante a pandemia de COVID-19

Pinterest LinkedIn Tumblr

Radiologistas intervencionistas tiveram as chances de desenvolver sintomas de estresse aumentadas em 125% durante a pandemia. Ferramentas completas de PACS podem ajudar a reverter este quadro.

Pesquisadores da Universidade de Washington, nos EUA, descobriram que radiologistas intervencionistas que implantaram estratégias de enfrentamento “disfuncionais” durante a pandemia de COVID-19 tiveram 125% mais chances de desenvolver ansiedade.

Os sintomas ligados ao estresse podem incluir desligamento comportamental, negação, autocensura, uso de substâncias, entre outras.

Dr. Andrew Woerner e uma equipe de várias instituições acadêmicas administraram sua pesquisa, publicada na Academic Radiology, através de 78 perguntas no final de 2020 por meio do fórum online da Society of Interventional Radiology, abrangendo mais de 400 rads em 15 países.

As consultas cobriram tudo, desde o ambiente de prática até dados demográficos, sintomas de ansiedade e mecanismos de enfrentamento. Eles receberam 422 respostas, com 79% representando radiologistas intervencionistas e 21% IRs em treinamento.

Quase 42% dos participantes relataram ansiedade, com uma pontuação do rastreador para Transtorno de Ansiedade Generalizada, denotando um nível “mensurável” de tal angústia. Fatores como gênero feminino, maior cobertura de chamadas, falta de ajustes departamentais adequados durante a pandemia e falta de resposta oportuna foram todos associados a altos níveis de ansiedade nos participantes.

Quase 93% dos rads disseram que realizaram um procedimento em alguém com COVID-19 confirmado, e 65% relataram um impacto significativo nos volumes de procedimentos eletivos.

Aceitação e enfrentamento ativo foram os dois métodos saudáveis mais populares de lidar com a ansiedade. Os métodos disfuncionais ocuparam um lugar inferior na lista, fora da auto-distração.

O desligamento comportamental produziu o maior aumento com 169%, seguido pela autoculpa (160%). Por outro lado, a implementação oportuna de diretrizes de prática em COVID produziu uma redução de 50% na ansiedade.

“Este estudo oferece análises importantes sobre o impacto da pandemia COVID-19 na prática de RI e na saúde mental de seus profissionais”, concluem os autores.

“Os fatores de risco destacados para sintomas de ansiedade entre os radiologistas intervencionistas ressaltam a importância do apoio administrativo oportuno e adequado no cenário de crise de saúde pública.”

Possíveis soluções

Com a utilização de algumas ferramentas, como um PACS de qualidade, é possível otimizar alguns processos do cotidiano de centros de imagem e, consequentemente, reduzir as chances de burnout em médicos radiologistas.

Utilizando um PACS em nuvem, é possível contar com o trabalho de radiologistas que trabalham remotamente. Com a Telerradiologia, milhares de profissionais da Radiologia puderam mudar suas rotinas de trabalho, diminuir o estresse, eliminar deslocamento e ainda aumentar sua produtividade.

Assim, além do médico radiologista estar protegido em isolamento, a clínica ainda pode contratar profissionais sob demanda caso a equipe interna esteja sobrecarregada.

Além disso, ainda é possível realizar o compartilhamento de resultados rapidamente, tanto para pacientes, quanto para médicos solicitantes. O que agiliza o diagnóstico, reduz a circulação de pessoas nas unidades e, muitas vezes, até dispensa a necessidade de reconsultas.

Comentários