Contribuição militar para a radiologia

38481444546_f82020f636_b

A necessidade de mobilidade e agilidade dos hospitais de guerra impulsionou as inovações na área da radiologia, o que trouxe benefício para as clínicas atuais.

A Radiografia surgiu no final do século XX, criada pelo físico alemão Wilhelm Röntgen, tendo como objetivo obter imagens para a realização de exames médicos. A descoberta deu ao cientista o prêmio Nobel de Física em 1901.

Rapidamente, o método se popularizou entre os cirurgiões, principalmente os militares. Unidades móveis eram adaptadas em anexo aos hospitais das bases militares para identificar fraturas, balas e estilhaços em soldados feridos. Desde então, para uma cirurgia ser realizada, era imprescindível a realização da radiografia.

Porém, o equipamento utilizado era muito diferente do que conhecemos hoje. A dose de radiação também era muito maior, chegando a causar queimaduras e perda de cabelos nos pacientes.

O armazenamento desses equipamentos também era bastante problemático. Os aparelhos normalmente dependiam de determinadas condições, como temperatura e umidade específicas, para um bom funcionamento. O que era complicado de regular nos hospitais improvisados das bases.

A partir da descoberta da radiografia, a radiologia militar teve um papel importante nos avanços de toda a área.

Avanços

Na atualidade, o cenário mudou completamente. Muitos dos avanços, principalmente no tamanho e mobilidade dos aparelhos de exames de imagem, se deram para atender as demandas militares.

Equipamentos grandes, fixos e demorados, não atendiam ao cenário de guerras. Por isso, muitos empresas se empenharam em desenvolver aparelhos cada vez menores e ágeis.

Essa necessidade também contribuiu para que aparelhos de radiografia fossem padronizados para facilitar seu uso. Devido a necessidade de mobilidade constante, esses equipamentos também se tornaram portáteis e mais duráveis.

Além disso, existia a impossibilidade de, em muitos casos, contar com uma equipe médica de qualidade nos hospitais das bases. Na contramão, existia a grande urgência de velocidade nos diagnósticos.

Nas duas Grandes Guerras Mundiais, houve urgência de capacitar médicos e técnicos em radiologia. A grande demanda fez com que a especialidade tivesse um grande crescimento, principalmente em países como os Estados Unidos.

Graças aos avanços nos equipamentos, agora é possível que os hospitais de base contem com grande parte dos equipamentos de exame de imagem que existem atualmente. Ainda em 1991, por exemplo, foi enviado pelos EUA um aparelho de tomografia computadorizada para a base da Arábia Saudita.

Com o progresso das tecnologias de comunicação, agora é possível ter alguém trabalhando à distância para interpretar as imagens. Atualmente, existem aparelhos que possibilitam tal forma de trabalho.

Radiologia civil

Essas inovações trouxeram benefícios não apenas para os setores militares. As demandas dos hospitais de bases durante os conflitos, a partir de 1895 até atualmente, possibilitaram que os hospitais civis pudessem adquir equipamentos cada vez mais eficazes e padronizados.

Além do mais, a necessidade de profissionais da área também impulsionou a qualidade no treinamento de médicos radiologistas e técnicos em radiologia.

Nos EUA, o número de programa de residências em radiologia de hospitais militares aumentou significativamente. Mesmo se tratando da realidade de países como os Estados Unidos, quando há avanço significativo de profissionais treinados, toda a área é beneficiada com pesquisas e descobertas na área de diagnósticos por imagem.

Mais posts do blog

ver todos