Como hábitos afetam o trabalho do radiologista

doctores-examinando-tomografia-computarizada-pulmones-discusion_99043-2410

Cientista norte-americano realizou uma análise relacionando os hábitos no trabalho de radiologistas.

Uma nova análise publicada na Journal of American College of Radiology se dedicou a estudar alguns dos hábitos mais comuns entre radiologistas e quais tem impacto positivo e negativo na rotina de trabalho desses profissionais.

“É importante que os radiologistas estejam cientes da neurobiologia dos hábitos e do seu poder de impactar o nosso trabalho e objetivos diários”, afirma Dr. Jacob C. Mandell, do departamento de radiologia do Hospital Brigham and Women, em Boston, EUA.

De acordo com Mandell, os habitos surgem com o tempo de prática do radiologista e podem beneficiar os pacientes. Porém, quando as ações se tornam quase que automáticas, é possível perder descobertas importantes.

Prejudiciais

“Por exemplo, se uma bandeja de procedimento for configurada de uma maneira diferente do normal, o intervencionista pode alcançar o dispositivo errado, esperando que ele esteja em seu local típico”, escreveu Mandell.

“Erros que ocorrem devido a esse fenômeno são conhecidos como um ‘lapso de hábito’, que é um conflito entre ações dirigidas por objetivos e ações controladas por hábitos. Pausas de segurança e listas de verificação podem mitigar esses erros forçando o córtex cerebral a confirmar que a sequência de ação habitual é apropriada para a circunstância atual.”

Outro caso em que os hábitos podem se tornar prejudiciais é quando ocorre perturbações no ambiente de trabalho. A análise cita, por exemplo, o costume que muitas pessoas tem de checar seus celulares com muita frequencia.

De acordo com o autor, se um radiologista leva esse tipo de hábito para a estação de trabalho, a produtividade pode ser fortemente prejudicada. Para ele, ainda é importante o esforço em substituir os maus hábitos por ações mais produtivas.

Hábitos que ajudam

Os hábitos também podem ajudar o radiologista a perseverar diante do que Mandell descreveu como “aspectos desumanizantes da radiologia”.

O burnout é uma preocupação significativa na área de saúde, especificamente radiologia. Esses especialistas podem formar certos hábitos como desenvolver um maior contato com seus pacientes para combater tais sentimentos negativos.

Para Mandell, a chave para desenvolver um bom hábito é se concentrar em dicas específicas de comportamentos fáceis de excecutar, como a leitura, exercícios de mindfulness, conduzir mais conversas com os pacientes e praticar a auto-reflexão.

Mais posts do blog

ver todos