Cada pessoa com câncer é uma em um bilhão

im-87257

Cada paciente com câncer e cada tumor são uma combinação única de fatores, portanto cada tratamento e resposta também é única.

Todo oncologista tem pacientes que simplesmente “vivem” com seus cânceres. Um câncer que se espalhou para o fígado, no momento em que é diagnosticado pode ter suas origens cerca de 30 anos antes, mas permanece indetectável com as técnicas atuais de diagnóstico por mais de duas décadas. O mesmo vale para os tumores pancreáticos, pulmonares e outros. No momento em que muitos pacientes são diagnosticados, eles sem saber, viveram mais de suas vidas com câncer do que sem.

Células cancerosas são células normais que distorcem as respostas do estresse fisiológico para ter sucesso sob condições de privação. Com base em elementos genéticos, mutados ou normais, eles configuram uma nova biologia: o fenótipo do câncer. Uma vez que existem cerca de 1.000 genes relacionados ao câncer e cada câncer requer até três alterações genéticas distintas para ter sucesso, cada paciente com câncer é literalmente um em um bilhão. É uma reminiscência da observação de Tolstoi: “Todas as famílias felizes se assemelham umas às outras, cada família infeliz é infeliz à sua maneira”.

Apesar da complexidade do câncer, os oncologistas modernos estão sendo solicitados pelas seguradoras, sistemas hospitalares a reduzir as opções de terapia para um número cada vez menor de tratamentos baseados em diretrizes. Essa abordagem de tamanho único – tentando aplicar estatísticas de população a pacientes individuais – está rapidamente provando ser de ineficaz.

O papel do médico é discernir o que torna cada paciente único, mas poucos têm tempo para descobrir. Enquanto o perfil genético oferece esperança, o câncer se mostrou muito mais complexo do que a soma de seus genes. A Physical Sciences Oncology Network está aplicando princípios físicos à medicina oncológica para explorar a dinâmica dos tumores humanos em três dimensões. Um conceito é que, em pacientes selecionados, menos pode ser mais, já que as respostas podem ser prolongadas usando dosagem intermitente.

As defesas das células cancerígenas agora podem ser examinadas em laboratório usando drogas, agentes direcionados a genes e inibidores do metabolismo celular para sondar a biologia do tumor humano. Podemos perguntar: Qual é o processo de sobrevivência das células que seu câncer está usando? Mais importante: pode ser direcionado terapeutica

mente? Se a resposta for sim, e for identificado um medicamento ou combinação, o paciente provavelmente responderá de maneira favorável – duas vezes mais provável de fato. Mas se a resposta for não, os tratamentos seriam mais propensos a causar sofrimento sem benefício.

O processo de laboratório, medindo a resposta das células cancerígenas à lesão, independentemente do mecanismo, pode fornecer respostas simples para as questões mais complexas. Isso oferece a oportunidade para os pacientes resistentes a medicamentos explorarem antecipadamente as terapias experimentais, enquanto os pacientes sensíveis a medicamentos podem buscar soluções mais próximas de casa.

Fonte: Wall Street Journal

Mais posts do blog

ver todos