Recursos de tomografia computadorizada podem prever coronavírus

HERO_coronavirus

Em um relatório especial publicado na revista Radiology, os pesquisadores descrevem recursos de imagem por tomografia computadorizada que auxiliam na detecção e diagnóstico precoces do coronavírus.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o novo coronavírus é uma doença respiratória que se assemelha clinicamente a pneumonia viral e se manifesta como febre, tosse e falta de ar.

Dr. Michael Chung, professor assistente do Departamento de Diagnóstico, Intervenção e Radiologia Molecular no Sistema de Saúde Mount Sinai em Nova York e colegas se propuseram a caracterizar os principais achados de imagem de TC no tórax em um grupo de pacientes infectados com o novo coronavírus na China, com o objetivo de familiarizar radiologistas e equipes clínicas com as manifestações de imagem deste novo surto.

Todos os pacientes foram confirmados positivos para infecção através de testes laboratoriais de secreções respiratórias.

Para cada um dos 21 pacientes, a tomografia inicial foi avaliada pelas seguintes características:
• 1 presença de opacidades em vidro fosco;
• 2 presença de consolidação;
• 3 número de lobos afetados por opacidades em vidro fosco ou consolidadas;
• 4 grau de envolvimento do lobo, além do “escore total de gravidade total” do pulmão;
• 5 presença de nódulos;
• 6 presença de derrame pleural;
• 7 presença de linfadenopatia torácica (linfonodos de tamanho ou morfologia anormais); e
• 8 presença de doença pulmonar subjacente, como enfisema ou fibrose. Quaisquer outras anormalidades torácicas também foram observadas.

A análise mostrou que o vírus geralmente se manifesta na TC com opacidades pulmonares bilaterais em vidro fosco e consolidadas. Opacidades nodulares, padrão de pavimentação maluca e distribuição periférica da doença podem ser características adicionais úteis no diagnóstico precoce.

Os pesquisadores também observaram que cavitação pulmonar, nódulos pulmonares discretos, derrames pleurais e linfadenopatia estão caracteristicamente ausentes nos casos de coronavírus.

A imagem de acompanhamento do coronavírus em sete dos oito pacientes mostrou progressão leve ou moderada da doença, manifestada pelo aumento da extensão e densidade das opacidades do espaço aéreo.

Chung alertou que a ausência de achados anormais de tomografia computadorizada no exame inicial não descarta a presença de 2019-nCoV.

Os pesquisadores observam que mais estudos são necessários para entender como os pacientes se saem após o tratamento, mas sugerem que as experiências e os achados de imagem das epidemias de MERS e SARS podem ser úteis no gerenciamento do surto atual.

Novidades no seu e-mail

Fields marked with an * are required

Mais posts do blog

ver todos