Portais de resultados podem economizar dinheiro de pacientes e hospitais

Mobile20Tech-min-640x427

Pesquisadores italianos descobriram que utilizar portais de resultados na internet pode economizar dinheiro de pacientes e hospitais; e ainda apontaram como incentivar o uso do mesmo.

Tornar os exames de imagem facilmente acessíveis por meio de um portal de resultados online pode melhorar a qualidade de vida dos pacientes, além de oferecer comodidade aos mesmos e aos hospitais.

Essa foi a experiência de um instituto italiano que estudou a frequência com que seus pacientes acessaram os exames de radiologia por um período de dois anos, compartilhando suas descobertas no Journal of Digital Imaging.

Entre as mais de 9.000 exames realizados, os indivíduos acessaram 190 (4,4%) exames no primeiro ano.
Esse número saltou no segundo ano do programa, no entanto. E se todos os pacientes tivessem efetuado login e baixado seus exames, os usuários e o hospital poderiam ter conseguido uma economia global combinada estimada em mais de US $ 290.000.

“O uso de um portal da web pode representar uma vantagem econômica consistente para o usuário, o hospital e o meio ambiente”, afirmam Massimo Cristofaro, da Unidade de Radiologia do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, em Roma, e colegas.

“Mesmo se aumentando com o tempo, o uso de um portal ainda é limitado e estratégias para aumentar o uso de tais sistemas devem ser implementadas.”

Implementação do portal

Ter conhecimentos básicos de informática continua sendo um obstáculo claro para acessar exames online; e em toda a Europa, a Itália ocupa a 24ª posição entre 28 em taxa de alfabetização computacional e habilidades digitais.

Apenas 56% dos cidadãos europeus entre 16 e 74 anos têm conhecimento rudimentar sobre computadores, observaram os autores, acrescentando que isso provavelmente contribuiu para a baixa taxa de acesso.

Para o projeto Lazio ESCAPE, a equipe analisou dados anônimos de pacientes – usuários com idade média de 58 anos – que baixaram seus exames de radiologia entre março de 2017 e fevereiro de 2019.

Eles registraram imagens de ressonância magnética, raio-x e tomografia computadorizada de 6.720 pacientes submetidos à maioria um único exame de imagem.

No geral, os pacientes acessaram 446 exames (4,9%), sendo a ressonância magnética o tipo de imagem visualizada com mais frequência (175 exames).

O dinheiro economizado para os pacientes foi baseado nos custos de transporte e no tempo médio perdido. Para hospitais, esse número incorporou custos diretos da equipe na preparação e entrega de relatórios (papel, envelopes, CDs, etc.) e espaço necessário para armazenamento.

Ainda há um longo caminho pela frente, para proporcionar acesso generalizado a imagens na Internet para pacientes em todo o mundo, mas os autores acreditam que os incentivos econômicos podem ajudar a impulsionar a adoção.

“Em nossa opinião, uma estratégia para aumentar a disseminação da distribuição eletrônica de relatórios e imagens poderia ser incentivar seu uso, também economicamente: ambos com fundos ad hoc apenas para empresas de saúde pública (divididos entre Tecnologia da Informação e Comunicações e investimentos pessoais) e reduzindo o custo do serviço para usuários que usam o portal”, concluíram.

Mais posts do blog

ver todos