Pesquisadores descobrem três padrões neurológicos distintos em RM de pacientes com COVID-19

mribrainhitn_0_0

Uma nova pesquisa divulgada mostra três principais padrões de ressonância magnética do cérebro em pacientes com a doença.

Os dados que estabelecem uma conexão entre a COVID-19 e os sintomas neurológicos adversos continuam a crescer.

A Sociedade Francesa de Neurorradiologia examinou 37 achados de imagem neurológica de pacientes consecutivos de 16 centros diferentes para seu estudo, publicado em junho na Radiology.

O estudo é o primeiro a caracterizar um grande grupo de anormalidades confirmadas na ressonância magnética cerebral, excluindo o derrame, que estão relacionadas ao novo vírus.

A maioria dos pacientes – com idade média de 61 anos – apresentava consciência alterada (73%), interrupção da vigília patológica após a sedação (41%), confusão (32%) e agitação (19%).

Os exames de ressonância magnética freqüentemente revelaram anormalidades de sinal no lobo temporal medial (43%), uma área do cérebro relacionada a funções cognitivas e emocionais críticas.

Menos pacientes (30%) apresentaram “lesões hiperintensas multifocais da substância branca não confluentes no FLAIR e sequências de difusão com aprimoramento variável, com lesões hemorrágicas associadas”.

“Raramente” foi encontrado em pacientes com COVID-19, mas se assemelha muito a distúrbios crônicos que destroem as coberturas nervosas protetoras de gordura”, escreveram Stéphane Kremer, do Hospital de Hautepierre, e colegas.

O terceiro padrão de ressonância magnética cerebral foi encontrado em 24% dos indivíduos, descrito como “micro-hemorragia extensa e isolada da substância branca”.

Essa condição foi relatada em sete outros pacientes críticos envolvidos em um estudo separado, mas os autores não conseguiram determinar o processo fisiológico exato associado aos seus próprios achados.
A maioria dos pacientes desta coorte apresentou lesões hemorrágicas intracerebrais (54%) e um caso mais grave de COVID-19, observaram os autores.

O impacto da COVID-19 no sistema nervoso central permanece um mistério. Um estudo publicado na semana passada no Journal of Alzheimer’s Disease sugeriu a realização de RM de base antes da alta dos pacientes, a fim de estabelecer um ponto de partida para avaliar esses indivíduos.

O mesmo estudo propôs uma estrutura “NeuroCovid” em três estágios para classificar os danos cerebrais relacionados ao vírus.

“Três principais padrões neurorradiológicos podem ser distinguidos, e a presença de hemorragia foi associada a um pior estado clínico”, escreveram os autores.

“O RNA da SARS-CoV-2 foi detectado no líquido cefalorraquidiano em apenas um paciente, e os mecanismos subjacentes do envolvimento cerebral permanecem obscuros”, observaram, acrescentando que a imagem e o acompanhamento neurológico permitirão aos provedores aprender mais sobre esses pacientes.

Mais posts do blog

ver todos