Metade dos médicos norte-americanos estão utilizando ferramentas de telemedicina

atendimento-por-telemedicina-1587039208316_v2_1920x1080

Devido a pandemia do novo coronavírus, pesquisa aponta que metade dos médicos dos EUA estão migrando para a telemedicina.

De acordo com a Merritt Hawkins, uma empresa de pesquisa médica, quase metade dos médicos nos EUA estão usando da telemedicina para tratar pacientes, à medida que a pandemia da COVID-19 muda os padrões de prática.

Isso é superior a 18% dos médicos que usavam há dois anos, com base na “Pesquisa de 2018 dos médicos da América” da The Physicians Foundation.

O impacto sobre os médicos do COVID-19 será transformador”, disse Travis Singleton, vice-presidente executivo da Merritt Hawkins, em comunicado. “A maneira como os pacientes acessam os médicos e como e onde os médicos praticam mudará fundamentalmente”.

Um resultado positivo da pandemia é que as barreiras ao acesso aos serviços médicos por telemedicina podem ser reduzidas, observou Singleton. E isso será crítico, pois os Estados Unidos lidam com uma crescente escassez de médicos.

A Physicians Foundation, American Medical Association, Florida Medical Association, Massachusetts Medical Society e Texas Medical Association lançaram recentemente o The Telehealth Initiative, que ajuda os médicos a implementar serviços de telessaúde.

A iniciativa fornece acesso online gratuito a recursos que incentivam os médicos a considerarem plataformas de telessaúde durante a pandemia da COVID-19.

Médicos na linha de frente

Merritt Hawkins pesquisou mais de 800 médicos em colaboração com a The Physicians Foundation para saber como os médicos estão sendo afetados e respondendo ao novo coronavírus.

Cerca de um terço dos entrevistados (34%) pratica medicina de cuidados primários (medicina de família, medicina interna geral, pediatria), enquanto dois terços (64%) são especialistas e subespecialistas em cirurgia, medicina e diagnóstico.

A maioria dos médicos (60%) que não estão atendendo pacientes com COVID-19 está disposta a fazê-lo, sugerindo que a força de trabalho do médico tem capacidade extra para influenciar a pandemia, segundo a pesquisa.

Muitos médicos parecem dispostos a assumir o risco e as responsabilidades de tratar as pessoas infectadas pelo vírus.

Uma minoria substancial de médicos (32%) disse que planeja mudar as práticas, deixar as funções de assistência ao paciente, encerrar temporariamente suas práticas ou se aposentar em resposta ao COVID-19, constatou a pesquisa da Merritt Hawkins.

Isso deve ser particularmente preocupante para hospitais e outras organizações de saúde que já enfrentam escassez e rotatividade de médicos, segundo Singleton.

“Depois que a pandemia for contida, haverá um acúmulo de procedimentos e testes generalizados de COVID-19. O reengajamento e retenção dos médicos serão ainda mais importantes”, afirmou.

Mais posts do blog

ver todos