Implantar ultrassom para controle de qualidade faz Mayo Clinic reduzir os erros em 60%

escaner-ultrasonido-manos-medico_179755-5607

Tirar o ultrassom da linha de frente de imagens para reimplantá-lo como método de controle de qualidade ajudou a norte-americana Mayo Clinic a reduzir os erros em cerca de 60%.

É o que revela um estudo feito em Jacksonville, Flórida, local do famoso sistema hospitalar, publicada recentemente no Journal of American College of Radiology. Além disso, o experimento ajudou a aliviar a carga de médicos ocupados, sem queda significativa de produtividade para a instituição.

“Com o tempo, os radiologistas ganharam confiança na capacidade do ultrassonografista [de controle de qualidade] de visualizar casos e obter imagens adicionais quando necessário”, afirma Dra. Melanie Caserta , da Divisão de Ultrassonografia, e seus colegas no estudo.

“Isso cria menos interrupções para os radiologistas e também melhora o fluxo de trabalho do ultrassonografista, permitindo que o ultrassonografista passe para o próximo paciente em vez de esperar por um radiologista para revisar o caso”, acrescentou a equipe posteriormente.

Esses profissionais são tecnólogos altamente qualificados, mas o ultrassom é um processo dependente do usuário quando comparado a outras modalidades, observaram os autores. Freqüentemente, isso resulta em variabilidade na qualidade da imagem e na confiança do radiologista.

Solução

Para enfrentar alguns desses desafios, Caserta e equipe criaram esta nova posição, incumbindo um ultrassonografista de visualizar cada exame de US e analisar as varreduras para verificar a qualidade e a adesão ao protocolo.

Eles então conduziram três auditorias separadas, com tamanhos de amostra de 272 varreduras cada, e o ultrassonografista de QC classificando os parâmetros de qualidade de imagem antes e depois da intervenção.

A Mayo começou com uma auditoria de linha de base no outono de 2015 que registrou 439 problemas de imagem que exigiam melhorias.

Depois de adicionar a nova posição de revisão, esse número caiu para 176 em 2016 e 172 no ano final para uma redução de 60%.

O piloto teve tanto sucesso que tornou a posição permanente em seu centro de ultrassom ambulatorial primário e está considerando adicionar outros no laboratório vascular e no ambiente de internação.

“Em última análise, nosso uso de um ultrassonografista de controle de qualidade oferece um melhor serviço aos pacientes, obtendo as melhores imagens diagnósticas possíveis para seus exames de ultrassom”, concluíram Caserta e colegas.

Novidades no seu e-mail

Fields marked with an * are required

Mais posts do blog

ver todos