Como o novo coronavírus age no corpo humano

ma_0424_NF_Pathology_lead_1280x720

A Revista Science reuniu estudos de caso do mundo todo para tentar mapear como a COVID-19 afeta o corpo humano e qual o impacto em cada órgão que atinge.

Como o número de casos confirmados de COVID-19 ultrapassa os 2,8 milhões em todo o mundo e as mortes superam os 190.000, médicos e patologistas estão lutando para entender os danos causados pelo novo coronavírus enquanto este atravessa o corpo.

Embora os pulmões sejam o ponto zero do vírus, seu alcance pode se estender a muitos órgãos, incluindo o coração e os vasos sanguíneos, rins, intestino e cérebro.

Apesar dos mais de 1000 artigos que agora estão sendo publicados em periódicos e em servidores de pré-impressão a cada semana, uma imagem clara é ilusória, pois o vírus age como nenhum patógeno que a humanidade jamais viu.

Sem estudos mais completos, os cientistas precisam extrair informações de pequenos estudos e relatos de casos, geralmente publicados em alta velocidade e ainda não revisados.

Impacto do vírus pelo corpo

Quando uma pessoa infectada expele gotículas carregadas de vírus e outra pessoa as inala, o SARS-CoV-2, entra no nariz e na garganta. Uma vez dentro, o vírus seqüestra as máquinas da célula, fazendo inúmeras cópias de si mesmo e invadindo novas células.

Em casos graves, o novo coronavírus aterrissa nos pulmões e pode causar danos profundos lá. Mas o vírus, ou a resposta do corpo a ele, pode ferir muitos outros órgãos. Os cientistas estão apenas começando a investigar o escopo e a natureza desse dano.

Como o vírus ataca o coração e os vasos sanguíneos é um mistério, mas dezenas de pré-impressões e documentos atestam que esse dano é comum. Um artigo de 25 de março da JAMA Cardiology documentou danos cardíacos em quase 20% dos pacientes de 416 hospitalizados por COVID-19 em Wuhan, China.

A perturbação parece se estender ao próprio sangue. Entre 184 pacientes com a infecção em uma UTI holandesa, 38% tinham sangue coagulado de maneira anormal e quase um terço já tinha coágulos, de acordo com um artigo de 10 de abril da Thrombosis Research.

Os coágulos sanguíneos podem se romper e aterrissar nos pulmões, bloqueando as artérias vitais – uma condição conhecida como embolia pulmonar, que teria matado pacientes com a doença. Coágulos das artérias também podem se alojar no cérebro, causando derrame.

Nos pulmões, a constrição dos vasos sanguíneos pode ajudar a explicar relatos anedóticos de um fenômeno desconcertante observado na pneumonia causada pelo COVID-19: alguns pacientes têm níveis extremamente baixos de oxigênio no sangue e ainda não estão ofegando.

É possível que, em alguns estágios da doença, o vírus altere o delicado equilíbrio hormonal que ajuda a regular a pressão sanguínea e contrai os vasos sanguíneos que vão para os pulmões.

Se o COVID-19 atingir os vasos sanguíneos, isso também pode ajudar a explicar porquê os pacientes com danos pré-existentes nesses vasos, por exemplo, devido a diabetes e pressão alta, enfrentam maior risco de doenças graves.

Partículas virais foram identificadas em micrografias eletrônicas de rins de autópsias em um estudo, sugerindo um ataque viral direto. Mas lesões nos rins também podem ser danos colaterais.

As tempestades de citocinas também podem reduzir drasticamente o fluxo sanguíneo para o rim, causando danos freqüentemente fatais. E doenças pré-existentes como diabetes podem aumentar as chances de lesão renal.

Outro conjunto impressionante de sintomas em pacientes com COVID-19 centra-se no cérebro e no sistema nervoso central. Mas não se sabe em que circunstâncias o vírus penetra no cérebro e interage com esses receptores.

Dito isto, o coronavírus por trás da epidemia de síndrome respiratória aguda grave (SARS) de 2003 – um primo próximo do vírus de hoje – poderia se infiltrar nos neurônios e às vezes causar encefalite.

Em 3 de abril, um estudo de caso no International Journal of Infectious Diseases, de uma equipe do Japão, relatou traços de novos coronavírus no líquido cefalorraquidiano de um paciente com COVID-19 que desenvolveu meningite e encefalite, sugerindo que também pode penetrar no sistema nervoso central.

Além disso, relatórios recentes sugerem que até metade dos pacientes, com média de cerca de 20% nos estudos, sofre de diarréia, diz Brennan Spiegel, do Cedars-Sinai Medical Center, em Los Angeles.

Os sintomas gastrointestinais não estão na lista de sintomas do COVID-19 do CDC, o que poderia fazer com que alguns casos da doença passassem despercebidos.

A presença de vírus no trato gastrointestinal aumenta a possibilidade inquietante de que ele possa ser transmitido pelas fezes. Mas ainda não está claro se as fezes contêm vírus infecciosos intactos ou apenas RNA e proteínas.

Os intestinos não são o fim da marcha da doença através do corpo. Por exemplo, até um terço dos pacientes hospitalizados desenvolvem conjuntivite – olhos rosados e lacrimejantes – embora não esteja claro se o vírus invade diretamente o olho.

Outros relatórios ainda sugerem danos no fígado: mais da metade dos pacientes hospitalizados em dois centros chineses tinham níveis elevados de enzimas, indicando lesão no fígado ou nos ductos biliares.
Porém, os danos no fígado podem ser causados por outros eventos em um corpo em falha, como drogas ou um sistema imunológico em excesso, de acordo com especialistas.

Novidades no seu e-mail

Fields marked with an * are required

Mais posts do blog

ver todos