Cerca de 20% dos pacientes encontra erros em seus relatórios médicos

medico-discutiendo-paciente-despues-examen-fisico-resultados-pautas-tratamiento_11304-1210

Pesquisa feita nos EUA descobriu que cerca de 1 em cada 5 pacientes já identificou algum erro em laudos de radiologia ou relatórios médicos.

De acordo com uma nova pesquisa realizada com quase 30.000 pacientes, liderada pela Harvard Medical School e publicada no JAMA Network Open, cerca de 1 em cada 5 pacientes disseram ter detectado um erro em seu relatório de radiologia ou em outras anotações de médicos, com 40% percebendo o erro como sendo “sério” por natureza.

Esses erros graves, observaram os autores, incluíam dados do histórico médico incorretos ou esquemas de medicação e anotações feitas sobre o assunto errado.

“Os pacientes também relataram erros nos resultados de radiologia ou resumos de médicos que tornaram difícil determinar se houve melhora ou deterioração clínica”, escreveu o principal autor Dr. Sigall Bell, com Harvard e sua afiliada Beth Israel Deaconess Medical Center em Boston, e colegas.

Em um desses casos, um relatório de ressonância magnética usava unidades de medida desconhecidas pelos pacientes, criando “ambiguidade” para o leitor.

Bell e demais autores chegaram a suas conclusões pesquisando pacientes tratados em três instituições de saúde dos EUA que oferecem notas em aberto. Os pesquisadores realizaram a pesquisa na web entre junho e outubro de 2017, visando pacientes tratados em 79 práticas acadêmicas e comunitárias de atendimento ambulatorial.

Os pacientes mais velhos e mais doentes, eles descobriram, tinham duas vezes mais chances de relatar um erro quando comparados aos seus colegas mais jovens e mais doentes.

Para os provedores de radiologia, uma questão “importante” é a necessidade de desenvolver mecanismos que permitam aos pacientes responder aos seus relatórios, concluiu a equipe de pesquisa.

“Em um momento em que a demanda de dados por pacientes está aumentando, juntamente com o apoio federal para fornecer aos pacientes acesso fácil às informações de saúde, as anotações compartilhadas podem ajudar os pacientes, famílias e profissionais a buscar maior segurança do paciente em colaboração”, escreveram Bell e colegas.

Novidades no seu e-mail

Fields marked with an * are required

Mais posts do blog

ver todos