5 dicas para laudos de radiologia mais amigáveis para os pacientes

manos-doctora-irreconocible-escribiendo-forma-escribiendo-teclado-portatil_1098-20374

Pacientes estão lendo seus próprios relatórios de radiologia regularmente. Mas como tornar esses laudos mais acessíveis para a compreensão do paciente?

Pesquisadores estadunidenses examinaram o que isso significa para a especialidade como um todo e como os radiologistas podem trabalhar para fornecer o melhor atendimento possível ao paciente em um novo comentário publicado na Academic Radiology.

“Esta é uma mudança considerável que justifica reflexão e discussão sobre a melhor forma de servir nossos pacientes”, escreveram os autores Dra. Ana P. Lourenco, e Dr. Grayson L. Baird, da Alpert Medical School da Brown University em Providence, Rhode Island, EUA.

“Isso também representa uma mudança sísmica para o relatório de radiologia, o produto de nosso trabalho, que antes era destinado exclusivamente ao provedor de referência.”

Lourenco e Baird detalharam várias maneiras pelas quais os relatórios de radiologia podem ser elaborados de maneira direta e fácil para os pacientes entenderem. Estas são cinco sugestões de sua análise:

1. Revise seu trabalho

Pode parecer óbvio que todos os relatórios devem ser revisados antes de serem concluídos, mas Lourenco e Baird observaram que alguns especialistas acabam pulando a revisão completamente para economizar tempo.

“O primeiro passo para agregar valor ao atendimento de nossos pacientes é criar um relatório de alta qualidade – a base disso é um relatório livre de erros de ortografia e reconhecimento de voz”, observam.

“À primeira vista, isso pode parecer uma meta facilmente alcançável, mas conforme os volumes clínicos e a complexidade dos casos aumentam, muitas vezes há menos tempo para a revisão adequada.”

2. Pule as abreviações

Lourenço e Baird explicam que não usar abreviações é “uma excelente forma de minimizar a possibilidade de falha de comunicação em seu relatório e melhorar a clareza do relatório”.

Nem todo mundo conhece as mesmas abreviaturas, especialmente depois que você adiciona pacientes à equação.

3. Mantenha a terminologia ao mínimo

Qualquer laudo radiológico irá claramente incluir uma certa quantidade de terminologia relacionada à imagem, mas de acordo com Lourenco e Baird, os radiologistas podem tornar as coisas confusas tanto para os médicos quanto para os pacientes quando presumem que todos podem entender o jargão usual da especialidade.

Os autores também observaram que pode ser útil se os relatórios de radiologia incluírem um resumo escrito exclusivamente para os pacientes.

Isso permitiria que os radiologistas ainda usassem a terminologia facilmente compreendida por todos os médicos, sem se preocupar tanto com a confusão ou preocupação dos pacientes.

4. Forneça o contexto apropriado

A falta de contexto às vezes faz com que os achados normais pareçam suspeitos, algo que pode ser evitado se os radiologistas reservarem alguns momentos extras para se tornarem maisclaros.

“Por exemplo, se uma ressonância magnética da coluna mostrar a dessecação do disco que é esperada para a idade do paciente, declarar isso pode dissuadir o provedor de referência de solicitar imagens adicionais desnecessárias e pode impedir o paciente de se preocupar com esse achado”, escreveram os autores.

5. Evite linguagem que possa ser considerada ‘hostil’

Os pacientes podem ler certas palavras e interpretá-las como negativas ou hostis, mesmo que essa nunca tenha sido a intenção do radiologista que escreveu o relatório. Um exemplo descrito por Lourenco e Baird está mudando “o paciente recusou” para “o paciente não aceitou”.

“Isso é muito menos antagônico para alguém que lê seu relatório e provavelmente não teve a oportunidade de conhecê-lo e viu apenas o item de sua conta de saúde para serviços de imagem”, escreveram os autores.

“Talvez existam motivos muito bons para ter recusado o exame – muitas vezes não sabemos esses detalhes e é melhor usar uma linguagem neutra sempre que possível.”

Novidades no seu e-mail

Fields marked with an * are required

Mais posts do blog

ver todos